Maria Fernanda

“Como os oceanos tinham níveis muito baixos de água, era possível caminhar do sul da Inglaterra até a França, e continuar andando. Se não fosse impedido por outros humanos, até chegar a Java”. (livro: Uma breve história do mundo). Então fico imaginando como há coisas a aprender na geografia de nossa história. Esse é um planeta que ainda retém riquezas que não se pode avaliar. Cada leitura vem repleta de abastanças... Repensar na crueldade do homem com tudo isso é o caos. Cada um fazendo a sua parte era utopia demais, e o quadro ficou exposto sem cuidado e a paisagem começa a borrar nas laterais, meio e... Fim? Eu suponho que até os primórdios já viviam a saga. Caminho em alerta. Descrever a fundo teria que exigir experiência. Tornasse nômade por descobertas. Amo o planeta, isso eu bem sei dizer. E cada dia vale o investimento porque pouco oferecimento não me move. ✿Maria Fernanda✿

o amor é um elo

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Multidão


A brisa vagueia por entre rostos,
meus olhos se perdem nessa multidão.
há uma busca quando tu te ausentas,
há pinceis colorindo rumos,
há saudades que penetram
esse coração ferido.
Há um ponto que não quer ser final.



Maria Fernanda
Nas férias

:.ﮨﯝﮨჱﮨﯝﮨ.:ﮨﯝﮨჱﮨﯝﮨ.:ﮨﯝﮨჱﮨﯝﮨ.:


33 comentários:

  1. Ponto final por vezes é bom. Depende da situação.

    Bom final de semana

    ResponderExcluir
  2. Venho agradecer a sua visita ao
    meu blogue.Quis registar-me no seu,
    mas não consegui. Gosto muito de poesia.Bjs.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se preocupe Irene, venha quando quiser a "casa" é nossa.

      Excluir
  3. O ar que lava o rosto entre as gentes,
    Isola e tonifica a confusão.
    Lembranças, que são nossas, tão presentes,
    Não partem nem para além do coração.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom amigo!
      És um poeta!
      O coração revela sempre a nossa melhor poesia.

      Beijinho

      Excluir
  4. A vida é como um livro onde a cada dia vamos colocando letras, umas toscamente escritas outras bem alinhadas e perfeitas, construindo de cada instante vivido belissimos versos, mas as inquietação chegam, as interrogações também e numa busca muitas vezes incompreensível nos impede que escrevamos seja o que for nessa folha que a vida nos oferece todos os dias; fica vazia, a folha, vazio fica também o nosso coração. Mas não coloquemos um ponto final, porque novo instante com certeza teremos e quem sabe não encheremos a nova página com palavras coloridads e pontos de exclamação? Há que ter esperança, pois há sempre um novo amanhecer, um novo começar. Beijinhos, amiga e obrigada pelo belo momento de poesia. Coloquei um ponto final, pois assim manda a regra gramatical, mas voltarei outro dia, de certeza! Bom fim de semana
    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um lindo comentário Emília,
      cheio de sabedoria.
      Um ponto nos expressa as vezes, em graus diferentes. Mas o amor é sem fim, ou seja ponto seguido.

      Cheio de esperanças.
      Beijinho e obrigada.

      Excluir
  5. poema de um lirismo encantador...
    gostei muito

    beijo

    ResponderExcluir
  6. Respostas
    1. E ficaram mais ainda com sua chegada amigo.
      Grata Rui

      Excluir
  7. No meio da multidão encontrarás quem possa colorir ausências...
    Um poema muito belo!
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Belo poema. Muito bem construído.
    Boa semana moça!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A construção foi lapidada na alma.
      Boa semana linda!

      Excluir
  9. Cara poetisa Fernanda, leio o poema e fico imaginando a brisa tocando rostos que não percebem quão poético é sentir a carícia do vento roçando o invólucro das almas sensíveis, que também não percebem que os poetas, por vezes, se atém em detalhes, aparentemente insígnes à caravana apressada, sem olhos para o belo.
    Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dilmar
      O vento esse amigo que percorre rumos, e acarinha dores e alegrias de um jeito só dele toca o coração de poetas sem escolhas.
      Grata pelo belo comentário.

      Um abraço daqui do DF. Idem amigo
      um comentário belo e poético.

      Excluir
  10. Maria Fernanda
    Beleza de poema, com magnifica construção.
    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Um momento de luxo, o teu poema!
    Sempre digo:
    Tudo tem o seu momento . Nada acontece por acaso.

    O teu chegará!

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente Mona Lisa Não acontece.
      Que Deus esteja sempre no comando.

      Grata ✿

      Excluir
  12. Como tudo, um ponto pode ser o final ou a preparação para um reinício! Tão bonito, tão terno teu poema.
    Gostei também o que você escreveu no seu perfil, olho muito para os perfis! E também li algumas pérolas nas colunas laterais...
    Você é bonita também por dentro, amiga...
    Beijo, e meu obrigada a você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De acordo!
      Puxa fiquei vermelha rsrsrs
      Amiga, muito obrigada pelo carinho, é tão bom saber.
      Grata!✿

      Excluir
  13. A multidão passa tantas vezes diante dos nossos sentidos e, ausentes, estamos dentro do nosso mundo que ninguem sabe, ninguém vê, e ninguém sente. O vento passa ligeiro, ignorando pensamentos, assobiando sopros murchos como os olhos rentes ao chão. Mas um amanhã é o dia que se fará hoje: os bem-te-vi voltarão a fazer companhia atravessando o oceano e enchendo os olhos de esmeraldas. E os nossos campos serão o verde onde semearemos o Amor com que Deus nos brinda cada dia.
    Á VIDA, Nandinha, minha princesa!
    EAT!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh meu amor,
      como tu me fazes tão bem!
      Antes de estar aqui no DF, eu me preocupava com pequenos detalhes que pudesse fazer diferença.
      Sabe? Como eu iria acostumar com o lugar, a distância do mar.
      Quem eu era? Uma menina assustada, no meio de um emaranhado.
      Ah Anjo Azul, tu que está na minha estrada e que faz parte de um pedaço tão bonito dela. Não tenho palavras para dizer como te gosto tão imenso. Eu me enquadrei no teu coração e me aninhei com o carinho e sentimento mais puro e cheio de encanto que teu coração de mãe aninha.Ali, percebi a doçura das tuas palavras, da tua voz, do teu jeito de falar sobre coisas belas.
      Falar de amor, dizem que é difícil demais, mas nós sabíamos que quem ama de verdade sabe falar, guardar e recordar. Aqui estou cercada de amor e de carinho.
      Obrigada!

      EAT!✿✿

      Excluir
  14. No meio de tantos uma vazio constante,dirão que é incompletude e digo saudades e ficam nas reticências.

    Bju Fernandinha.

    ResponderExcluir
  15. Então deixemos nas "reticências" meu amigo querido.

    Obrigada Toninho✿✿

    ResponderExcluir
  16. Maria Fernanda

    mais uma vez um poema com um lirismo encantador.
    você consegue em poucas palavras dizer muito e isso é bom.
    e o ponto final, nem sempre é necessário.
    pense nisso
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  17. Sua poesia levou-me a isto:
    Quando as circunstâncias concorrem para composição da ausência, necessário será colocar-lhe dois pontos - os olhos, para que não se percam em reticências.. Na pausa procure e veja a figura aparecer. Quando não, ponto final, parágrafo. Muda-se de linha, e, com um travessão, abre-se um novo discurso directo, novo diálogo, nova ventura.
    Bj, Fernanda.

    ResponderExcluir
  18. Agostinho tens razão
    são sábias tuas palavras
    e... Quando o coração é monogâmico?
    Como se faz?

    Amei o comentário
    obrigada!✿✿

    ResponderExcluir

Tenho olhado o tempo...
Quando estou tomando um café, ou na varanda.
Quando estou mergulhada nos livros, ou no trabalho.
Ele me diz: Paciência Fernanda.
Sim tempo, eu tenho paciência...

Fernanda Marinho