Maria Fernanda

Quero brindar a arte, ao poeta, ao amor. Se fosse uma pintora, pintaria o sorriso do mundo em plena harmonia, a beleza das ondas do mar abraçando vivências, maestro de música delicada e forte, depende do jeito que se escuta. Olhar a grande tela da vida e constatar o surreal, que é essa beleza real que agraciados fomos em ter. Grito a liberdade de abrir mundos, lugares, pessoas, e nessa mesma liberdade brilha o sol, fica azul o céu e o mar. Esse oceano beleza que gera, que move, que traz e que leva. Me segura com seu jeito corajoso em teus braços, me pega de um jeito que a alegria se encaixe. Quero minha vontade de sentir essa audácia e jogar pra fora no teu ritmo, nas tuas asas, meu brinde. Obrigada a cada um que faz comigo a poesia mais linda desse mundo. A poesia da a m i z a d e! ♥ PS: Um brinde com suco de uva. ✿Maria Fernanda✿

o amor é um elo

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Caminho








Não existe algo tão perturbador que os seus pensamentos nesse instante. O tempo tem suas façanhas, acomoda tudo ao seu modo, então em passos de lesma o vemos caminhar, quando o coração quer pressa.
Alguns dizem: Vai passar! Ela sabe que vai, um dia. Por hora seu coração acelera, seus olhos molham, o ânimo intimida e o riso se abre como que instintivo. Então segue como se aquela fosse outra e não ela. Estava exausta, sem o momento de sentir-se dentro dela outra vez. O que está acontecendo? Não sabia explicar.
Apenas precisava descansar, dormir um pouco. Assim talvez passasse aquela sensação de abandono.  O que era mesmo aquilo que estava experimentando? Uma mistura esquisita, um gosto de sequidão, precisava de água-esperança para sobreviver nesse deserto humano.
Pensara em fazer um diário de bordo para contar um pouco da porta que se abriu, do mar, lugares e pessoas... Até de certo modo o fez, mas havia em seu interior um mar selvagem que coagia seus olhos numa mistura desmesurada, lembranças, solidão, tristeza. Quanto tempo cada um de nós tem para lutar e vencer pelo menos algumas batalhas internas? Se perguntou enquanto enxugava o rosto com as costas das mãos.
Fitou o céu, queria conselhos, entendimentos, o sopro da brisa enfim. Momento entre ela e Deus pedia respostas tão suas, e lembrou aquele amigo de todas as horas que sempre estava lá, bastava chamar. Então como que necessitada desse colo, ergueu os olhos para o alto e chamou: Pai, vem em meu auxilio por favor! Neste instante sentiu-se acolhida, numa mistura de arrebatamento com carinhos em seus cabelos e face. Recostou-se não lembra onde, mas com certeza era um lugar muito aconchegado, onde dormiu aquele sono que precisava, para que pudesse assim entrar no trilho. Aquele era o caminho que viera percorrer e que não encontrava por estar completamente confusa.
De repente abre os olhos e o lugar é completamente outro.
Colinas colossais cercadas de flores que mais parecia um tapete sobre cada recanto, pessoas felizes em conversas animadoras e o perfume do ambiente tão precioso, e nela a sensação de Déjá vu.
Ao seu redor o canto das aves do lugarejo era acolhedor para a alma. O interior se transportava para um lado surreal aos olhos daqueles que não tinham a capacidade de vê-la nessa entrega tão dela desde menina. Era o seu tempo e ele estava ali lhe dando asas para mergulhar outra vez no seu roteiro, na carne-viva, na narrativa de sua infância, seus amigos que a abrigavam do frio nas noites que mais pareciam ser todas inverno. Das ruas que sempre lhe mostravam a importância das estrelas que iluminam o universo. Ela observava aquelas luzes cobertas de bondade, de cuidados para que o coração do homem pudesse sorver. E a lua! Aquela que os poetas e só eles entendiam seus significados, beleza, poesia.... No entanto era ela, a lua, a inspiração para os corações cansados e o cafuné certo para acalmá-los.
A chuva? Um milagre mais tocável, em forma de bênçãos ia se misturando aos lugares, plantas, casas, pessoas. Tudo tão minuciosamente belo, às vezes em maior quantidade. Muitas vezes fazia perguntas para seus amiguinhos imaginários e eles nunca a deixava sem respostas. Entendia que quando houvesse muita, mas muita tristeza sobre a Terra, a chuva se fazia necessária de alguma forma. O tempo é sábio, mas jamais se repete, por isso devemos vive-lo com toda intensidade em cada momento. A menina sabia e era exatamente por isso que ela estava exausta naqueles pedaços de tempo. As ruas, o amor, o conto de fadas, a perda... tudo foi vivido com gotas de coragem, fé e esperança.
Sabia que ao seu redor tudo era prodígio, bastava fitar uma formiguinha pequenina com todas as suas formas. Certa vez colocou uma na palma da mão e observou a fisionomia dela, que diferente, belo, como o Senhor do alto lhe teceu as características. Talvez fosse miniatura de um ser de outros planetas, quem sabe? O que mostra que para ELE não há nada que não possa esculpir. O universo inteiro é um quadro de esplendor e impossível-possível. E cada item é para o bem de outro, tudo se corresponde da maneira mais preciosa, mesmo que o nosso retrógado entendimento que muitas vezes se opõe a essa verdade se manifeste.
Ele criou os sentimentos para que pudesse descrever da maneira mais sutil o que nos aflige. Uma lágrima que cai tem o seu milagre, sua história, sua dor ou alegria. Uma vem por outra assim como o amor. Amai-vos uns aos outros. Amar é tão vasto e intenso e não tem fim.
Como podemos definir o amor? Não podemos. Podemos apenas sentir e nossas definições não seriam nunca exatas. Nem Albert Einstein, conseguiria definir algo tão infinito. O amor tem sua própria lei, a lei de amar. Cada um consegue amar da sua maneira e mesmo que ele ache que é tudo que consegue, já vai desenvolvendo uma certa matemática, uma ligação eterna com o sentir. Cada maneira, cada gesto é o gesto certo porque cada um consegue ser o que é, ou dá o que tem.
Em alguns casos não podemos compreender aquele que ama diferente do nosso amor. E vêm os questionamentos em cima disso, mas que tal procurarmos nos colocar no lugar do outro só por um segundo e veremos então ali uma fisionomia diferente, já começa aí. O pensamento é algo único, nosso. Por ele podemos escolher, opinar, viver essa escolha, esse sentir com tudo que está em nós, mas que só Deus sabe como caminhar nosso interior, pensava enquanto fitava o céu.
Algumas lágrimas acompanhavam esse pensamento. Havia tantas perguntas ainda, coisas foscas... Lembrara de quando caminhava na areia da praia ainda tão pequenina, sempre às voltas com seu companheiro que só ela via. Ele sempre lhe ensinara como proceder diante dos obstáculos da vida, e lhe dizia que ela deveria sempre agradecer mesmo quando as coisas não fossem do jeito que ela desejava.
As lembranças são relíquias que se guarda e ela guardava as suas como algo precioso, e que a fazia tocar um pouco naquele mundo encantado onde avistava estrelas, arco-íris e anjos.
Hoje o dia estava opaco, ela precisava sorrir mais que de costume.
Precisava caminhar como aquela garotinha que foi, a vida era diferente agora. Hoje ela sabia exatamente o que é estar do lado de lá.
Mas seu coração é o caminho, e no seu íntimo ela escutava só depois de Deus.




(Maria Fernanda)


:.ﮨﯝﮨჱﮨﯝﮨ.:ﮨﯝﮨჱﮨﯝﮨ.:ﮨﯝﮨჱﮨﯝﮨ.:




3 comentários:

  1. Muito bom, parabéns.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá Fe
    Com o tempo vamos nos acostumando que nem todos amam da mesma maneira e o tempo vai nos ajudando a perceber este sentimento com mais maturidade, aprendendo a ceder e perdoar.
    Bjs

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Lindo e intenso! bjs, de volta das férias,chica

    ResponderExcluir

Tenho olhado o tempo...
Quando estou tomando um café, ou na varanda.
Quando estou mergulhada nos livros, ou no trabalho.
Ele me diz: Paciência Fernanda.
Sim tempo, eu tenho paciência...

Fernanda Marinho