Amor sempre....

Amor sempre....
Caminho entre flores. O chão continuará pra nós com outras paisagens. Sou o que sou, porque é tudo que sei ser. E todo meu olhar escrito que você nunca aprendeu a ler, permanecerá no descaso para quem não compreende.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Tempo



Eu achei o tal tempo,
precisei achar.
Ele veio como uma avalanche
e descreveu pequenas artes.
Cada página do livro nesse tempo,
se fazia especial.
Uma leitura interessante,
dedução mental.
O que pensar de tudo isso?
Quem conta um tempo
sem tempo para contar?
Achei todos os detalhes,
passei por cima de feridas,
grandes feridas.
Quem poderia compreender
se não viu ou vasculhou
qualquer tempo meu?
Careci chegar aqui,
e saiba: não há poesia nenhuma.
Apenas uma velha vida
que aprendeu a ler emblemas.
Que decifrou olhares,
e realizou sonhos alheios.
Que aprendeu a ciência exata
mesmo quando não sabia nada.
Então,
aí vem ele,
o velho e novo tempo
brincando
ou sério,
mas vem.
E da forma mais estrondosa
pergunta: podes encarar tudo de novo?
Se transformaria a dor em poesia
mesmo quando não se pode parar
o círculo lá fora e cá dentro?
E mesmo que eu tenha ido
onde jamais pensei ir,
o longe se faz palpável e tão perto.
Porque busquei da poesia a essência,
nela sempre há proteção,
há amor.
O tempo?
Seria perdido sem ela.
Há qualquer coisa
de belo entre os dois,
mas para isso se precisa de quem?
Sim! Dele... tempo...
Ele consegue tudo,
e é também só desta forma
que você aprende a encontrá-lo.


M. Fernanda
Imagem: Google

8 comentários:

  1. Fernanda,
    Você já pode se considerar uma escritora.
    Versos lindos que nos abraçam.
    Amei
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  2. Lua,
    você que escreve tão lidamente dizendo isso, vou acreditar.
    Muito obrigada!
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  3. Maravilha e tão reflexivo!Adorei! Nossa relação com o tempo é importante! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Chica querida!
      Verdade, essa relação nos modela de todas as formas.
      Beijinho.

      Excluir
  4. Um poema profundo de quem se questiona quando entra dentro de si mesma. O tempo não só as horas que passam. É tudo o que nos acontece. Como poeta que és socorres-te da poesia para transfigurar o tempo. Achei lindo, Fernanda.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada graça!
      O tempo é mesmo muito interessante para mim.
      Suas formas de passar,as reflexões, o impacto, ou a calmaria...
      Acho piada algumas vezes
      ele parece um menino arteiro, outra um senhor impassível mas
      é sempre para nos mostrar que caremos de uma forma ou de outra de sua presença.

      Amei que gostou amiga.
      Beijo

      Excluir
  5. Respostas
    1. Obrigada Francisco.
      Gostei que tenha lido.

      Beijinho

      Excluir

Tenho olhado o tempo...
Quando estou tomando um café, ou na varanda.
Quando estou mergulhada nos livros, ou no trabalho.
Ele me diz: Paciência Fernanda.
Sim tempo, eu tenho paciência...

Fernanda Marinho
Ah posso pedir para me conhecer melhor?
Então vem aqui ó!

https://linguagem-miuda.blogspot.com.br/