Amor sempre....

Amor sempre....
Caminho entre flores. O chão continuará pra nós com outras paisagens. Sou o que sou, porque é tudo que sei ser. E todo meu olhar escrito que você nunca aprendeu a ler, permanecerá no descaso para quem não compreende.

terça-feira, 29 de maio de 2018

Gratidão

Aleatoriamente um toque de poesia


Olhando o Céu e o dia precioso que beija o tempo, agradeço ao Senhor por ele. Refleti na noite passada sobre como foi o meu dia e se eu agi corretamente nele, se amei aquele que precisava ser amado, olhado, abraçado, afagado. Se prestei atenção no olhar triste daquele que silenciou sua dor e buscou apenas nesse silêncio à maneira de uma prece.
E nessa reflexão fechei os olhos e pensei: O que são amigos de verdade? E como agradecer por tê-los em minha vida e pelo sentimento nobre que dirigimos nossa amizade?
Em seguida lembrei de pessoas que sempre me deram esse amparo, esse cuidado, esse respeito e esse amor que seguramente tem suas raízes fortificadas por um elo que não se pode quebrar, que é a confiança.
Um dia, me senti uma forasteira no meio do mundo, é que ainda  não sabia compreender muitas coisas, não pelo fato de que essas muitas coisas fossem fáceis de compreender naquele momento. É que eu apenas não tinha idade para discernir e nem um condutor para isso. Aprendi com muitas lágrimas e firmeza a ler minha história nessa escola que é a vida, sem meio termo, mas nunca sem pureza, curiosidade e coragem. Fato é que fui muito corajosa nessa jornada, e sabe? Me orgulho daquela menininha que fui, muito, muito. Nessa trilha conheci amigos de vários níveis, gêneros e graus. No entanto,naquele momento  me sentia acolhida e mais segura num cantinho de rua, numa cama de papelão e num banco de praça, que numa cama quentinha num orfanato, sendo posta de joelhos no caroço de milho. De certa forma compreendia que aquele momento de menina de rua era para ser meu, eu precisava passar por aquilo e foi minha escolha passar, mesmo que eu não tivesse idade para escolher. Naquele momento aquele ambiente, as calçadas  era o especial, o apropriado para que eu aprendesse a ler essa intrigante escola que é a vida, e aprendesse com ela a humildade da maneira mais valiosa, e a simplicidade com requinte. Os amigos que eu escrevi no meu livro da vida daqueles anos, já se foram porque quase todos chamava de vozinhos e vozinhas. Poucos amigos tive naquele tempo que tivessem a minha idade. Primeiro pelo preconceito de suas mãezinhas e depois por eles mesmos obedecerem às ordens que elas lhes passavam, de não falar com estranhos. Compreendia e ficava sempre no meu lugar de estranha e adorando vê-los ser felizes do meu banquinho.
Sabia porém, que todos somos banhados pela graça Divina. Se havia um Céu e ele cobria todos nós juntos, o Senhor do alto também me amava e me cobria de amor. E se Ele que criou todas as coisas me deixava presenciar as estrelas e a lua, o sol e a chuva, então eu também era especial. E que embora eu estivesse do lado de fora das casas, estava do lado de dentro da maravilha de dormir presenciando as estrelas, e a noite era um pouco do tempo em que eu também “virava” uma estrela. Imaginava-as me cobrindo do frio.
Há pessoas que chamamos de amigos reais e virtuais. Eu faço uma reflexão mais ampla sobre o tema. Eu chamo apenas de amigos.
Tudo  que escrevi  aqui foi para agradecer aos meus amigos de longa data, e aos que chegaram sem tanto tempo assim. E que me olharam  de perto, e quando digo de perto, quero dizer, demoradamente. O tempo e a maneira que esse tempo, os trouxeram para minha vida e  que vieram, entraram, e por algum motivo que foi necessário, ficaram ou se foram. Agradeço aqueles que se foram, porque eles me deixaram um pouco de suas sementes. Agradeço aos que ficaram, porque eles enraizaram em meu coração de uma maneira segura, plena, preciosa e eterna.
Agradeço aqueles que estão ao meu lado, e me abraçam de perto passando para mim a satisfação e o carinho de poder senti-los com meus braços terrenos, e é muito bom.
Agradeço aqueles que estão longe, e semeiam em meu coração a semente do carinho, das palavras escritas que tatuam em minha essência a mesma energia e carinho do abraço bem pertinho.
Amo todos vocês amigos. Porque o amor é o único sentimento que nos liga a um caminho com Cristo. A amizade sempre traz um novo exemplo do bem para que possamos vesti-lo com estilo e orgulho.
Agradeço por todos vocês Chica, Manu, Toninho, Graça , Hellen,
que nesse momento tão difícil me abraçaram de maneira colossal.
Que Deus os abençoe.
Amo vocês!

Texto e imagem:
M. Fernanda


3 comentários:

  1. Nanda, mais uma vez escreveste derramando teu coração...por isso nos tocas sempre! Nao ha o que agradecer a nós tuas amigas... Estamos longe e assim so isso podemos fazer!

    Torcendo sempre por vocês d pra que tenhas sempre essa força e fé...

    Bjs tuuuuuuuudo de bom pra ti e turminha,chica

    ResponderExcluir
  2. Que alma lindaaa!
    Esse post me fez lembrar um escrito seu que me comoveu demais a mts anoa atrás. Eu fiz até um vídeo com sua autoria... daquele menino que cheirava cola em frente a sua faculdade e aquele pacotinho era como se fosse Golias,um gigante que precisava ser detido com amor..
    Que sua alma seja sempre bela assim.. nós que somos gratos por conhecer vc e sua alma a cada palavra q vc deixa aqui ❤

    ResponderExcluir
  3. Mas eu não fui! Estou e estarei. TU SABES!!
    EAT!

    ResponderExcluir

Tenho olhado o tempo...
Quando estou tomando um café, ou na varanda.
Quando estou mergulhada nos livros, ou no trabalho.
Ele me diz: Paciência Fernanda.
Sim tempo, eu tenho paciência...

Fernanda Marinho
Ah posso pedir para me conhecer melhor?
Então vem aqui ó!

https://linguagem-miuda.blogspot.com.br/